STF – Incidência de ISS em Softwares

STF – Incidência de ISS em Softwares

Navegue por tópicos

Precisando de advogado?

Preencha o formulário abaixo e receba nosso contato

Navegue por tópicos

STF finalmente decide tributação sobre venda de softwares: ICMS ou ISS?

O Supremo Tribunal Federal, no dia 18/02/2021, decidiu pela incidência de ISS e não ICMS no que diz respeito à comercialização de softwares. O voto condutor, proferido pelo Ministro Dias Toffoli, foi acompanhado pelos Ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber. Vencidos, portanto, os ministros Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Luiz Edson Fachin e Kassio Nunes Marques.

Como ocorria a tributação? 

A questão a respeito da tributação de softwares, isto é, se incide ICMS ou ISS, já é bastante antiga e conhecida. Inclusive, a lei questionada nos autos da ADI n. 5.659/MG data de 1999. 

Até então, o entendimento predominante é de que, em se tratando de software elaborado por encomenda (personalizado), incide somente o imposto municipal (ISS). No caso de softwares disponibilizados para a venda no varejo, chamados de “softwares de prateleira” – ou off the shelf – haveria a incidência de ICMS. 

No entanto, sabe-se que hoje a venda de softwares em meio físico encontra-se bastante prejudicada em razão da disponibilidade digital ou virtual, como ocorre com a cessão de direitos de uso por meio de download ou pela nuvem. Nesses casos, a jurisprudência pátria encontra muitas divergências acerca da tributação: se ICMS ou ISS.

ICMS ou ISS, qual tributo faz mais sentido ao vender um software?

Para o Relator, Ministro Dias Toffoli, a simples previsão da tributação de softwares na Lei Complementar n. 116/03 já seria o suficiente para afastar a tributação por meio do ICMS:

“Dessa perspectiva, nos termos da orientação tradicional do Supremo Tribunal Federal, o simples fato de o serviço encontrar-se definido em lei complementar como tributável pelo ISS já atrairia, em tese, a incidência tão somente desse imposto sobre o valor total da operação e afastaria a do ICMS” (Extrato do Voto do Ministro Dias Toffoli nos autos da ADI n. 5.659/MG).

Não fosse apenas isso, o Relator sinalizou que, independentemente de se tratar de software personalizado ou padronizado, sua criação intelectual, fornecimento e manutenção envolve inafastável esforço humano. Tal característica torna as obrigações de dar e fazer indissociáveis, atraindo a incidência de ISS:

“Reafirmo que o software é produto do engenho humano, é criação intelectual, sendo essa sua característica fundamental. Ou seja, faz-se imprescindível a existência de esforço humano direcionado para o desenvolvimento de um programa de computador. Não há como, a meu ver, desconsiderar esse elemento, ainda que estejamos diante de software que é replicado para comercialização com diversos usuários. E, mesmo se considerando que, na operação com software padronizado, existe a transferência de um bem digital, que está consubstanciado, usualmente, no arquivo digital ou no conjunto de arquivos digitais, julgo que deve incidir sobre a operação o ISS. É que, analisando-se a questão dessa perspectiva, constata-se que há uma operação mista ou complexa, envolvendo, além da obrigação de dar um bem digital, uma obrigação de fazer. A obrigação de fazer está presente naquele esforço intelectual e, ainda, nos demais serviços prestados ao usuário, como, v.g., o Help Desk, a disponibilização de manuais, atualizações tecnológicas e outras funcionalidades previstas no contrato de licenciamento. Esses fundamentos, a meu sentir, se aplicam com mais razão ao software padronizado, quando customizado, em que um programa padrão preexistente é modificado para atender às necessidades do usuário. Isso deve atrair a incidência do imposto municipal sobre a operação, a qual encontra amparo no subitem 1.05 da lista anexa à LC nº 116/03 (Extrato do Voto do Ministro Dias Toffoli nos autos da ADI n. 5.659/MG)”.

Afinal, qual imposto incide sobre a venda de software? 

Sendo assim, o entendimento firmado e adotado pela maioria dos Ministros é de que incide ISS tanto sobre os softwares padronizados e disponibilizados de forma genérica, como naqueles adquiridos de forma personalizada, sob encomenda pelo consumidor.

Os votos divergentes e vencidos alicerçaram-se no entendimento de que, no caso dos softwares “de prateleira” (padronizados), a despeito de serem comercializados sob a forma digital e virtual, equiparar-se-iam às mercadorias físicas e, por essa razão, deveriam ser tributados por meio de ICMS.

Por fim, foi definida a data de 24/02/2021 para o julgamento da modulação dos efeitos da decisão, na qual os Ministros irão definir se o novo entendimento valerá para os casos antigos ou se somente às novas reivindicações dos contribuintes.

José Guilherme atua com ênfase na área de Direito Tributário, notadamente com Defesas Administrativas, Judiciais e Planejamento Tributário. Possui experiência em demandas consultivas no Direito Tributário relacionadas à melhor prática negocial com o objetivo de reduzir a carga tributária. Em demandas contenciosas, já atuou em defesas em Execuções Fiscais e Administrativas, bem como em ações de Repetição de Indébito visando a devolução de tributos exigidos e pagos indevidamente. Tem experiência em demandas com empresas de áreas como construção civil, ramo imobiliário, indústria pesqueira, tecnologia da informação, mercado varejista e de transportes. A atuação no Direito Tributário tem foco na relação entre contribuinte e o fisco, de modo a garantir o correto pagamento de tributos aos entes federativos correspondentes. José atua ainda destacadamente em demandas relacionadas ao Direito do Trabalho e ao Direito Administrativo.
José Guilherme atua com ênfase na área de Direito Tributário, notadamente com Defesas Administrativas, Judiciais e Planejamento Tributário. Possui experiência em demandas consultivas no Direito Tributário relacionadas à melhor prática negocial com o objetivo de reduzir a carga tributária. Em demandas contenciosas, já atuou em defesas em Execuções Fiscais e Administrativas, bem como em ações de Repetição de Indébito visando a devolução de tributos exigidos e pagos indevidamente. Tem experiência em demandas com empresas de áreas como construção civil, ramo imobiliário, indústria pesqueira, tecnologia da informação, mercado varejista e de transportes. A atuação no Direito Tributário tem foco na relação entre contribuinte e o fisco, de modo a garantir o correto pagamento de tributos aos entes federativos correspondentes. José atua ainda destacadamente em demandas relacionadas ao Direito do Trabalho e ao Direito Administrativo.

Deixe sua opinião

Qual sua opinião sobre o assunto? Escreva abaixo e vamos debater sobre o assunto.

{{ reviewsTotal }}{{ options.labels.singularReviewCountLabel }}
{{ reviewsTotal }}{{ options.labels.pluralReviewCountLabel }}
{{ options.labels.newReviewButton }}
{{ userData.canReview.message }}
Receba semanalmente, alertas de novas publicações e fique por dentro dos seus direitos.

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do

plugins premium WordPress

O que você procura?